Por: Professor Mesquita

Foto destaque
Infeces dentrias podem levar morte Quando Billing em 1912 criou a teoria da 'infeco focal', muitos dentes foram extrados desnecessariamente, pois acreditava-se que dentes infectados eram responsveis por muitas doenas. Este conceito prevaleceu por muitos anos levando a odontologia conservadora em descrdito, especialmente a endodontia (tratamento de canais), a periodontia (tratamento das gengivas) e a odontologia desportiva.

Embora originariamente exagerada, h evidncias sugerindo que em determinadas situaes clinicas, bactrias presentes em infeces dentrias podem alcanar a corrente sangunea e circular no organismo (bacteremia). Na maioria das vezes so rapidamente destrudas pelos mecanismos de defesa, contudo se os microorganismos encontraram condies favorveis, podem alojar-se em determinado stio (regio do corpo) como o corao, rim, fgado, msculo e, depois de um determinado perodo, comear a se multiplicar gerando doenas ou dificultando a pronta recuperao do atleta. Pacientes acometidos por infeces distncia, possuidores de vlvulas cardacas defeituosas ou com doenas cardiovasculares, podem adquirir uma doena chamada 'endocardite bacteriana', que a infeco mais grave que acomete a cavidade oral e o corao. Caracteriza-se pela formao de massa frivel de bactrias e cogulos sanguneos, conhecidos como vegetaes, que se alojam nas vlvulas cardacas podendo levar morte. Cerca de 40% dos casos so ataque cardaco e acidente vascular cerebral (AVC).

Bacteremias transitrias tm sido observados em vrios procedimentos dentrios, 100% em extraes dentrias, 70% depois de raspagem e polimento (limpeza), 55% em extraes de dente do siso, 20% depois do tratamento de canal. recomendado para a preveno da endocardite bacteriana uma profilaxia antibitica (tomar antibitico) antes de procedimentos odontolgicos em pacientes de risco.

Alm da endocardite bacteriana, estudos recentes na literatura mdica sugerem uma associao entre infeco de baixo grau e doenas cardiovasculares. Essa associao envolve a infeco como fator de risco para arteriosclerose, ligao entre a infeco, lipoprotena de baixa densidade (LDL), conhecido como 'mau colesterol' e doenas cardacas. Cientistas, agora, propem que a inflamao, cuja causa pode ser uma infeco dentria, seja o combustvel para a instalao e evoluo da arteriosclerose. Uma infeco faz com que o organismo faa um esforo contnuo para se manter sob equilbrio e qualquer elemento de estresse suficiente para comprometer este equilbrio. Ento, conclui-se que o atleta passa por fadiga, hipertermia, calor, frio, traumas fsicos, declive do potencial neuropsquico e desgaste orgnico que auxiliam o aparecimento de bacteremias transitrias, facilitando a implantao, reagudizao, a exacerbao dos processos inflamatrios da cavidade oral e sua discriminao pelo resto do organismo.

Redigido por Alexandre Fonseca Barberini