Por: Professor Mesquita

Foto destaque

Publicidade

JOSÉ ANTONIO RAMALHO


COLUNISTA DA FOLHA

Há duas semanas, publiquei no caderno "Tec" um roteiro para quem deseja usar o telefone celular como um roteador e, por meio dele, conectar um notebook ou um tablet à internet.

Em resposta àquela coluna, vários leitores escreveram pedindo orientações específicas sobre como fazer essa adaptação em seus modelos.

Atendendo aos pedidos, o "Atalho" traz, no infográfico abaixo, um passo a passo para fazer a operação em aparelhos de cinco fabricantes: Apple, HTC, Motorola, Nokia e Samsung.

  Editoria de Arte/Folhapress  

Para transformar o celular em um roteador, é recomendável ter um smartphone com plano de dados 3G.

Tablets e notebooks que possuem conexão Wi-Fi permitem acessar a internet por meio de um roteador caseiro ou de um hotspot público.

Quem precisa estar conectado à internet a qualquer momento normalmente opta por um tablet já com o recurso 3G, mais caro, ou compra um minimodem 3G de uma operadora e o espeta numa entrada do notebook.

O uso do smartphone com plano de dados como roteador permite evitar essas despesas extras.

Mas, antes de adotar o celular como roteador, verifique com sua operadora a configuração de seu plano de dados 3G. Assim, você não terá uma surpresa quando receber a conta mensal.

Se seu plano for ilimitado, não há problemas. Você pode navegar na web no notebook ou no tablet, via smartphone, sem riscos.

Nas operadoras de São Paulo, os planos que têm limite mensal de uso variam de 10 Mbytes a 2 Gbytes e custam de R$ 9,90 a R$ 99,90.

Para os usuários que ultrapassam o limite, as operadoras adotam duas políticas: ou cobram do usuário por Mbyte excedido ou reduzem a velocidade da conexão.