Por: Professor Mesquita

Foto destaque
Que Robinho, que nada... Clubes europeus comeam a sondar craques brasileiros de at 10 anos que ainda brincam de jogar futebol

Que Robinho vai jogar no futebol europeu, mais dia, menos dia, todo mundo sabe. Para quem j est lamentando a sada do atacante do Santos, de 21 anos, resta um alento: ele desfila sua habilidade pelos gramados nacionais h mais de dois anos. Poderia ser pior: imagine nunca ter visto Robinho de perto ou saber que um moleque desconhecido no Brasil est arrasando num pas europeu... o que pode acontecer, em menos de uma dcada, com alguns minicraques brasileiros, que ainda crianas comeam a despertar o interesse de clubes do exterior.
Recentemente, a imprensa noticiou os casos de Jean Carlos Chera, de 9 anos, e Maicon Vinicius da Silva, o Nico, de 12, que costumam humilhar adversrios com dribles desconcertantes e gols espantosos. O primeiro, meia-atacante que apareceu na Adap, de Campo Mouro (PR), e mudou-se para o Santos nesta semana, chamou a ateno de clubes europeus, entre eles Porto, Bordeaux e Manchester United. O segundo, meia do Mirassol, do interior paulista, deve passar os prximos meses entre Brasil e Holanda, j que a empresa que administra o clube fechou uma parceria com o PSV Eindhoven.
- um fenmeno novo, mas, at certo ponto, no surpreende. O jogador brasileiro, que tem um talento reconhecido internacionalmente, j barato em situaes normais. Quando criana, ainda mais barato - diz Tito Arajo, coordenador-tcnico das divises de base do Flamengo.
No ano passado, o CSKA, da Rssia, gastou cerca de US$ 9 milhes para tirar Vgner Love, aos 20 anos, do Palmeiras. Pelas normas da Fifa, menores de 18 anos s podem mudar de pas caso os clubes interessados assegurem a presena dos pais, legalmente autorizados a trabalhar para sustentar os jogadores. Bem mais em conta...
Essa foi a proposta feita pelo Barcelona famlia de Diego Duran de Assis Moreira, de 10 anos, destaque das escolinhas do Grmio. O domnio de bola, o jeito de tocar nela e a viso de jogo encantaram olheiros e diretores do clube espanhol. Mas nada como o sobrenome Assis Moreira para atiar os desejos: Diego filho de Assis, meia que comeou no Grmio e passou por Vasco, Fluminense e Sion (SUI) nos anos 90, e sobrinho de Ronaldinho Gacho, o melhor jogador do mundo para a Fifa em 2004.
Por enquanto, a famlia descarta qualquer mudana, mas as frias de Diego, desde o ano passado, so passadas em Barcelona, ao lado do tio famoso, o que pode aproxim-lo ainda mais do clube espanhol.
- O Ronaldo e eu nos criamos na batalha para ser algum. O Diego, que no precisa disso, pode escolher seu futuro com tranqilidade - conta Assis, que, longe dos ouvidos do filho, aposta na opo pelo futebol.
A dvida reside num fato que no pode ser desprezado: ele no um atleta, mas uma criana. Uma pesquisa da Universidade de So Paulo (USP) indica que 75% das crianas que iniciam a prtica competitiva de esportes (treinos e torneios) antes dos 14 anos desistem antes de completar os 17 por estresse fsico ou emocional.
- O esporte deve ser introduzido na vida da criana pela educao fsica, de forma ldica, pois a fase da formao do carter, da identidade. Alm disso, importante que ela tenha contato com diversas modalidades, no s com o futebol. A maioria dos clubes sociais trabalha dessa forma. Nos clubes de futebol, a situao geralmente diferente - opina Maria Tereza Silveira Bohne, professora da Escola de Educao Fsica e Esporte da USP.
Outro garoto na mira de clubes estrangeiros Neymar da Silva Santos Jnior, de 13 anos. Descoberto pelo ex-jogador Zito quando jogava futsal em So Vicente (SP), o atacante, que chegou a ser sondado por Corinthians e So Paulo, encarado como candidato a um novo Robinho pela diretoria do Santos.
- muito cedo para dizer algo porque ele jovem e muita coisa pode acontecer. Mas o Neymar possui um potencial impressionante - diz Mrcio Fernandes, tcnico da equipe sub-20 da Vila Belmiro.
O elogio de Robinho mais direto:
- Ele joga muito!
Para tentar mant-lo, o Santos gasta cerca de R$ 1 mil por ms, incluindo mensalidade em escola particular, cesta bsica e transporte. Mas ainda no pode criar qualquer vnculo com o garoto. De acordo com a legislao brasileira, s possvel criar um vnculo de atleta no-profissional em formao a partir dos 14 anos, que pode ser desfeito com ressarcimento dos gastos do clube com a formao ou pagamento de multa. S quando completa 16 anos, o garoto pode assinar um contrato de atleta profissional.
Para evitar o assdio de empresrios, a diretoria do Santos dificulta o acesso a Neymar. Todos os pedidos de entrevista com o garoto ou seus familiares foram negados pela assessoria do clube. E a secretaria do Liceu So Paulo, onde ele estuda, tambm no passa informaes a pedido do clube.
Mas o Santos foi driblado por Robinho. O craque, natural de So Vicente, apresentou Neymar a seu empresrio Wagner Ribeiro, que assinou em janeiro um contrato com o pai do jovem atacante, que diz que se sentiria "lison- jeado" caso recebesse uma sondagem do exterior. Enquanto ela no vem, o empresrio j lhe arrumou um contrato com a Nike, para fornecimento de material esportivo. Mas a inteno , pelo menos por enquanto, deixar Neymar na Vila Belmiro.
- O Santos est fazendo o que fez para o Robinho, sendo um pai para o Neymar - diz Wagner Ribeiro.
Arzemiro de Souza Bueno, conhecido como professor Miro, que trabalha nas categorias de base do Coritiba, tambm quase um pai. Tem fama de olheiro de primeira desde que descobriu o meia Alex, ex-Palmeiras e Cruzeiro, hoje no Fenerbahe, da Turquia. Atualmente, seus olhos brilham por Jos Mrio de Bona, 13 anos.
Natural de Medianeira, no interior do Paran, Z Mrio chegou ao Coritiba em 2003. Antes, tinha recebido uma proposta para treinar no Grmio, mas a proximidade da capital paranaense pesou na escolha da famlia. As qualidades do atacante? Miro as resume numa palavra: diferenciado. J o garoto, mesmo tmido, no economiza:
- Fiz um gol em que driblei o zagueiro com uma meia-lua e, quando o goleiro achou que eu fosse cruzar, bati direto. Foi um golao.
Miro no gosta de tocar no assunto, mas comum ouvir diretores cochichando nos corredores do clube sobre sondagens do exterior. A famlia tambm se mantm em silncio.
De quem a culpa por esse fenmeno? O empresrio Gilmar Rinaldi o entende como um sada encontrada pelos clubes europeus para driblar a crise financeira, uma forma de conter gastos. O coordenador das categorias de base do So Paulo, Jos Roberto Calicchio, culpa os prprios clubes:
- O Brasil tem a matria-prima. Mas, salvo raras excees, o produto final ruim. A maioria dos clubes no investe com qualidade nas categorias de base, no ensina fundamento. E isso prejudica a formao do jogador brasileiro. Como o europeu no bobo, leva para formar em casa - diz Calicchio.

*Colaboraram Alex Sabino, Divino Fonseca e Leonardo Fagundes


Lei no impede sada

Segundo dados de uma pesquisa argentina, nesta dcada chegaram a instituies esportivas italianas cerca de 10 mil crianas de todo o mundo por ano, 12% vindas do Brasil e da Argentina. Pela legislao brasileira, no h como impedir essa sada, se ela for feita de modo legal.
No Brasil, a criana protegida pelo Estatuto da Criana e do Adolescente, no podendo ser submetida carga excessiva de treinamento e competio. Receber salrio por jogar futebol? Nem pensar! Incentivos como bolsa escolar e vale transporte, por exemplo, esto liberados. Se um clube estrangeiro quiser lev-la para outro pas, alm de cumprir a legislao local, tem que levar junto os pais e providenciar trabalho para que possam sustent-la.
Uma alternativa para os clubes, mas somente a partir dos 14 anos, o Centro de Formao de Atleta, um dispositivo de incentivo fiscal previsto em lei disposio de entidades de prtica desportiva, que contempla a formao do indivduo e do atleta. Dos 14 aos 20 anos, o clube pode estabelecer com o atleta um vnculo no-profissional, com ressarcimento dos gastos com a formao em caso de quebra desse vnculo.
- Mas muitos clubes nem sabem disso. E reclamam que no existe proteo para a formao - diz o advogado Heraldo Panhoca. - Antes dos 14, a criana tem que brincar - completa.

Fora do Brasil igual


Voc j ouviu falar de Lionel Messi? Em outubro do ano passado, com 17 anos, ele se tornou o estreante mais jovem da histria do Campeonato Espanhol ao participar do jogo entre o Barcelona e o Espanyol. O detalhe que ele chegou ao Bara, sado do Newell's Old Boys, da Argentina, com 13 anos.
No ano passado, o clube de Ronaldinho Gacho tentou levar outra promessa argentina: Erik Lamela, de 12 anos. A oferta para o atacante, de 1,53m e 41kg, que comeava a brilhar no River Plate, girava em torno de US$ 140 mil por ms. Seus pais, convencidos pelo clube, decidiram ficar em Buenos Aires.
O futebol de Lamela to promissor que os dirigentes do River Plate no ligam quando ele fala quem seu espelho - "Quero ser como Maradona" -, o maior dolo da histria do arqui-rival Boca Juniors.
Outro garoto-prodgio Freddy Adu, de 15 anos, gans naturalizado americano que vive nos EUA desde os 8. Aos 13, assinou um contrato de US$ 1 milho com a Nike e recebeu sondagem do Manchester United (ING), mas continua no DC United, da MSL, a liga americana.


'Quero ser Zidane'
Em 2001, quando tinha 6 anos, Diego estava disputando uma pelada num condomnio em Guadalajara, cidade mexicana onde jogava seu pai, o meia Assis, quando um homem invadiu o campinho e lhe disse: "Me leve at sua famlia". Pouco depois, Karla, sua me, ouviu estupefata: "Senhora, esse menino um fenmeno. Sou empresrio e quero lev-lo para o Pumas, da Cidade do Mxico". Para a proposta dos dirigentes do Barcelona, recebida no ano passado, foi s um pulinho...
E o sobrinho de Ronaldinho Gacho, hoje com 10 anos, at um pouco gordinho, fsico normal para sua idade, mas compensa isso com um estilo elegante, sempre de cabea erguida.
- Para completar, tem liderana, coisa que nem eu nem o Ronaldo tnhamos - afirma Assis.
Diego cursa a 5 srie numa escola particular de Porto Alegre. De vez em quando, fala em ser mdico ou dentista. Mas s apertar um pouco que ele revela o desejo real:
- Quero ser como o Zidane. Ele comanda o jogo sem precisar correr, tem colocao. Gosto de jogar assim. Tenho mais prazer em deixar um companheiro na cara do gol do que fazer um gol - explica Diego.

Ficha tcnica
Nome: Diego Duran de Assis Moreira
Nascimento: 31/8/1994, em Sion, na Sua
Altura: 1,45m
Peso: 46kg
Posio: Meia
Clube: Grmio


Saudades de casa
Desde muito pequeno, Z Mrio acompanha o pai em peladas. Aos 5 anos, ainda em Medianeira, no interior do Paran, foi inscrito numa escolinha de futebol. Dois anos depois, foi para So Miguel, um dos celeiros do futebol de salo do estado. Hoje, aos 13 anos, chamado pelos treinadores de "a semente mais promissora da horta do Coritiba". Ele mora na capital com a me e o irmo. O pai continua em Medianeira.
- Vejo meu pai de 15 em 15 dias. Sinto saudades de casa, mas gosto muito daqui - diz Z Mrio, que gosta de jogar no ataque, mas, segundo seus treinadores, ele pode se dar bem em qualquer posio da esquerda, seja na ala, no meio-de-campo ou no ataque.
Na 7 srie, sua matria preferida matemtica. Quando no est na escola, seu passatempo preferido o computador. Outra coisa: ele gosta de dormir. Mas no tem dvida do que quer fazer da vida: "Jogar futebol". Pena para o futebol brasileiro que, desde agora, parece ter o destino traado na imaginao:
- Quero jogar na Europa.

Ficha tcnica
Nome: Jos Mrio de Bona
Nascimento: 20/2/1992, em Medianeira (PR)
Altura: 1,52m
Peso: 41kg
Posio: Atacante
Clube: Coritiba