Por: João Gualberto

Foto destaque

Avaí deve contar com Marquinhos no jogo diante do Joinville, às 17h de domingo, na Ressacada. O capitão azurra ficou de fora da estreia no Catarinense 2018, contra o Inter de Lages, para ganhar melhor condicionamento físico. Até porque no que se desenha como o último ano dele no futebol, precisa estar bem para alcançar o plano de jogar a temporada completa.

— O Claudinei falou que eu jogaria no domingo, ele me disse e fui mandado por ele ficar de fora do jogo de quarta por isso. Se para os mais jovens os 10 dias foi pouco tempo de pré-temporada, imagina para quem tem 36? Sabemos que o ano é longo e se queimar etapa no começo você pode pagar o preço. Pela idade, não posso queimar ficha errada. Tem que haver planejamento para aguentar o ano e ser útil ao Avaí, não quero entrar em campo apenas como figura e ídolo. Quero jogar por merecimento. Vai ser assim para eu ter condição de jogar e não apenas por merecimento. Deve ser o último ano da minha carreira e não vou jogar pelo nome. Terei dificuldades, mas passo por cima e farei isso novamente. Quero render o máximo e fazer a alegria do torcedor — garantiu o atleta, em entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira.

Ausência na derrota por 1 a 0 para o Inter de Lages, na Serra Catarinense, Marquinhos vai estar em ação e com uma missão expressa: vencer. O resultado negativo na abertura do campeonato, segundo o meia, obriga o Avaí a alcançar o triunfo diante do Joinville.

— Depois de perder fora, você tem obrigação de ganhar em casa. Mas o Joinville é uma equipe com treinador que gosta do contato, que faz trabalho de muita intensidade. Deve marcar individual o campo todo, fazia no ex-clube, o Brasil-RS. Em casa precisamos ter volume e decisões corretas para vencer e voltar à competição. Temos obrigação de vencer e não podemos nos distanciar dos times da frente — explicou.